terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Pequenas Poesias

Todas as meias doses
que os fracos pensam tomar
são venenos enlatados sem validade
um segundo é a vida toda
e o resto é ilusão banal
nos muros nascem decretos
pinturas modernas 
ou algum verso atual
sou o aveso desta verdade
o final da existência real
o que cai do céu não é meu
nem de quem quiser
são sonhos que talvez possam 
ser vendidos por um camelô qualquer
será que saberemos o que dizer
quando o inverno chegar trazendo 
o tédio intenso e a sombra da nova
verdade ideal?
quero no entanto ser poeira do novo
verão, pra talvez me deixar levar 
pelo vento, pra onde o vento quiser me levar...

Danilo Pinoti

Nenhum comentário:

Postar um comentário