terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Pequenas Poesias

A censura me deixou calado
mas agora eu falo aos ventos
o silêncio é letargia em momentos
tão velozes
venha e traga uma rosa
daquelas que cheiram de longe
que o vaso da janela vive sem vida
e eu preciso lhe dar um presente
os calos nas mãos são sinais
dos meus anos de aprendizado
sempre quis o amor sem vaidade
sem entulhos ou retalhos costurados
com fragmentos de visões antigas
e emoções passadas
quero um amor de alma limpa,
olhos marejados e euforia
de sentimentos verdadeiros
quero o simples amor sem silêncio,
sem solidão...

Danilo Pinoti

2 comentários: