quinta-feira, 29 de julho de 2010

Madrugada Poética

Noite dentro do meu peito
Lua que morreu de inveja
Bela que fera eu fui
Soando aos ventos poemas
Um tanto sem sentido
Dias depois do outro
Pastos de nuvens claras
Sem previsão coração desacelera
Pronto o caminho pra  outra vida que te espera...

terça-feira, 27 de julho de 2010

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Pequenas Poesias

A voz do coração soa tão alto nesse momento
Seus olhos dominam e enfeitiçam
Seu cheiro é vivo e enlouquece o meu
Fica perto e me ensina a amar
Quero aprender pra poder te ensinar
Quero jogar seu jogo
Apostar nessa história
E viver cada dia
Essa vida de agora...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Que perguntas são essas que ninguém responde?
Quantos dedos se cortam no fio da meada?
Respostas de perguntas secas
Verdades em fotos escuras
A fatia, mas doce do bolo
O sorriso mais simples perto de onde está
O nome que o vento leva
Faz-se de rascunho e se entrega
O peito respira fundo e se vai
A vontade é cheiro e sabor de sinais
O lápis que produz a idéia
E traduz em rimas poéticas o que se pensou
O quarto que muda de cor
De acordo com o que sua alma entrou
Alma que provoca o medo
Fome que engole o som
Lírios com perfume e cor
Lábios amargos e secos
Essa é a verdade que a mentira tenta contar
Ouve quem tiver coragem pra saber o que tentar
Responder o que ninguém pergunta
Pra poder se adaptar...

Danilo Pinoti

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Pensamentos Vagos

A ingratidão estampada no rosto do seu amigo
a pele queimando de inveja é impotência
sorriso falso e lábios inquietos
a história deixou de ser o que ele esperava
as promessas já não são mais sentidas
verdade passa longe do que se diz
a mentira é falta de opção
dos covardes que não perdem viagem
dos amores que cegam o que é real
fatos ditos em profecias
e cor dos seus olhos no meu quintal...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

A morte é um encontro duvidoso
ninguém sabe ao certo o que vem
depois do azul
caixas de concretos
coberta de flores
brindemos o fim dos dias
única certeza
longe dos pensamentos
não se fala mas se teme
nada se leva mas se tenta
a intensidade dessa vida incerta
é combustível nas veias ainda vivas...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Queria não ter aberto a ferida
o amor é cruel e insensível
rascunhos em folhas de papel de carta
rasuras e desenhos engraçados
o mar que leva a angustia
não cruza a estrada
vomita desejos e engole verdades
sempre tem alguém que me espera
sentada na esquina da rua deserta
perdida em seu infinito lugar
viver partindo é encontrar sempre
um sentido das horas
brincando de chegar a lugar nenhum
vamos todos ver o dia do silêncio
triste das salas sem mobílias
e dos quadros mal pintados
antes de ir me avise para não
deixar de ser novidade...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Nos prantos de um coração partido
um encontro de ilusões inúteis
análise complicada do poder
dias corridos, mentiras e rancor
o amor é algo inevitável
e a cura é protegida a sete chaves
qualquer um pode dizer segredos
e ouvir o preconceito em forma de medo
ame odiando
ame sentindo
ame me ouvindo...

Danilo Pinoti

quarta-feira, 14 de julho de 2010

sábado, 10 de julho de 2010

Pequenas Poesias

Sentir o amor é para poucos
sorrir da dor é vitória
correr atrás é covardia
morrer de medo é insanidade
sentir fome é preconceito
dos poucos restos do fim do pão
a chuva é fina e o fim é congestão
palavras soltas em frases de coragem
o amor que peca e sofre sem ser visto
a sua luz que já é cega
olhos que devoram defeitos...

Danilo Pinoti

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Pequenas Poesias

Alegria era muito e ele não sabia
sonhos alcançados e ele nunca via
muito amado e pouco lhe cabia
os poemas ele nem sentia
lindas flores e ele nem queria
se escondeu do pouco que chovia
quantas faces ele lhe sorria
vento forte sempre é ventania
sem o meu os seu já nem queria
as verdades que eu contei um dia
confundindo até quem não devia...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

O amor que surpreende o acaso
nos laços de enfeitar cetim
nos becos de paixões ingratas
o início se transforma em fim
nas casas de papel de pão
lembranças e outras frustrações
fumaça feita de colírios
metade de uma assombração
nos livros que a semente brota
navalha que não corta o fio
nos beijos que o sabor não mata
desejo é o pouco que se viu...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Frase do dia

Fazer alguém sorrir é privilégio de poucos...

Pequenas Poesias

Ai que saudade da velha casa
mal acabada
mal que nada
ruido que invade a escada
espelho que reflete o nada
folhas secas e chuva ácida
lembretes em lonas de circo
tantos copos secos
sede de confiança
liberta a culpa e traz alívio...

Danilo Pinoti