quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Pequenas Poesias

O Exato momento
que me enlouquece
é o mesmo que me tira
o sentido
a música que invade a alma
é o sopro que me faltava
o toque que varre o corpo
percorreo inconsciente
e acaba no meio fio
o calor invade a pele
dos meus fracos poros
com gesto de um verso rico
de um sonho inaceitável
que a falta dos velhos beijos
me trazem à tona
o que eu deixei sem perceber...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Pequenas Poesias

O corpo treme
a vista cega
o resto dos sentidos se afloram
o coração dispara
na velocidade incontrolável
do inconsciente
desejos, medos e muitas vozes
sonhos lembraças e um coração
a água que fecha o corpo
e lava alma
afasta os pensamentos e as sensações
com a força de um ser que abraça e acolhe
na sintonia da mesma canção...

Danilo Pinoti

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Pequenas Poesias

Quando o tempo engole nossas vidas
transforma o silêncio em puro prazer
meia luz eu vejo o desenho
do seu corpo
contornando minha imaginação
me perco em seus braços
e me entrego ao momento
loucura? sim, desespero? talvez
no meu mundo só cabe o seu
e destino não te deixa entrar
um sorriso que me faz bem
nesses dias tristes, sem você
alguma saída deve haver
em que o tempo nos permita viver...

Pensamentos Vagos

"A vida só faz sentido, quando a outra vida se faz presente..."

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Pequenas Poesias

Que força é essa que me prende em seu encanto
com tantas histórias a serem contadas
a minha parou na mais impossível
mesmo em dias desejados
lembranças me fazem chorar
perto da porta do desespero
o desejo parece aguçar
e os segredos se rompem
no simples gesto do olhar
na falsa moral distorcida
e no pouco que ainda sei chorar...

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Pequenas Poesias

É lindo olhar seus olhos
cultuar seu silêncio
entender todos seus medos
sentir um gosto
de gostar  de alguém
simples sentimento
sempre construção...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Perto aonde o corpo habita
curvas virtuais
sempre perco o sono
e não acordo mais
silêncio seco
sorriso sigiloso
lábios de quem quer
se beijar
outros que se fazem presente
ambos que não podem tocar
coração alterna a frequência
outros contos eu tento contar
abre as asas
e entrego o desejo
sob olhares
que se faz enxergar...

Danilo Pinoti