sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Pequenas Poesias

Ar seco da nó na garganta
sopra o vento no rosto
e lambe seus lábios
tem um que tem pressa
e tem quem não senta pra ouvir
não da alívio e sufoca os sentidos
mas depois da tempestade
sempre vem algo novo
e brilha de uma forma diferente
mas um brilho intenso...

Um comentário:

  1. Danilo. Gostei muitíssimo de suas pequenas poesias! Me identifiquei bastante com seu estilo pois resgata várias coisas que também escrevo. Quando puder dê uma passadinha lá no meu espaço: http://pixeldocaos.blogspot.com/
    Parabéns pelo livro. Um dica também quero publicar algo meu. Grande abraço!

    ResponderExcluir