quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Pensamentos Vagos

O início deveria ser eterno...

 Danilo Pinoti

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Pequenas Poesias

Longe do tempo do bem
o filho retorna pra quem?
os carros se tornam inúteis
e as facas não cortam os dentes
acho que não sou mais o sonho
que você derramou
ando sozinho e sempre sorrindo
não fecho os olhos para o que
quero ver
embarco nas velas do forte
e o mar se torna pequeno
na imensidão do meu desejo
do medo que não sei contar
dos versos que se pode errar
fez-se o mundo em meu lençol
e entrego a ti o meu lugar...

Danilo Pinoti

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Pequenas Poesias

Agora que não ama mais
segue e deixe o que restou em paz
sorriso falso é amarelo
ainda mais o que se vê no olhar
gosto azedo nunca foi prazer
muito além do que se pensa ver
acorda e olha o que não volta mais
um pesadelo que a verdade trás...

Danilo Pinoti

Pensamentos Vagos

Meus versos são intensos,como flores brotando em terra pisada... Danilo Pinoti

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Pequenas Poesias

Apague a luz
consigo ver o
que eu mais quero
além de olhar
do seu mistério
um sorriso
um tom mais sério
acenda agora
o meu mundo
adiantou a hora
e eu nem consigo
andar lá fora
sem estar aqui...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Escolha feita
homem não volta atrás
apesar dos pecados
somos todos perdoáveis
feliz sou sempre
se sou eu
mais um e nada de conversa
faz pose  e se torna real
enlouquece e se entrega
ao meu mal
peca comigo e sente o meu gosto
lava meu corpo
e me acorde no altar
do seu mundo...

Danilo Pinoti

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Pensamentos Vagos

"Os sonhos devem ser encarados com seriedade"

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

O coração parece querer sair do peito
o toque se transforma em fantasia
amanhã talvez estará estampada
em todos os jornais de Paris quem sabe?
singela emoção da dança daquela música de capela
a lagrima encontra o olhar e escorre em prantos
na pele suada pelo prazer do momento
e do beijo que o tempo não tirou o gosto
São desses encontros que se entrega ao abismo
e permite amar...

Danilo Pinoti

domingo, 28 de novembro de 2010

Pequenas Poesias

Minha pequena, minha amada, minha cena/ Tudo que quiser eu sei tantos são que nem pensei/ O beijo é o segredo mais bem guardado e o seu desejo existe mas é pecado/ O gosto do seu veneno eu morri provando, por mais que não me perceba Continuo andando... Danilo Pinoti

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Pequenas Poesias

O olhar é parte abstrata
da medo e provoca tensão
muda o foco
desvia a raz ão
te ver com os olhos
de encontrar verdade
é ter você
no minuto da saudade
é acreditar no desejo
e ter você
no momento do beijo...

Danilo Pinoti


quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Pequenas Poesias

Ouvindo a música
que minha alma aplaude
o aplauso da palma da mão
que toca o sentido
e transforma a energia em verdade
luz que ilumina o sorriso
e canta em meus ouvidos
o pouco que ainda sei
me vira do avesso
me traz um tempero
prepara teu corpo
e provoca o meu...

Danilo Pinoti

Pensamentos vagos

"Viajar na minha loucura é nunca estar enfermo das minhas vontades" 

Danilo Pinoti

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

sábado, 6 de novembro de 2010

Pequenas Poesias

Gosto demais da minha loucura
pra deixar você tomá-la
ouço a voz que me investiga
e sopra uma voz que vicia
chega aos poucos
mas chega em bandos
ando forte e olhando em frente
ninguém pode com a minha vontade
sempre assim, cheio novidades...

Danilo Pinoti

Pensamentos vagos

"Quem olha ao redor, sabe o quem vem a frente"

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Você é seu próprio universo
seu medo mais interno
a face que te condena
o amor que movimenta
rios que correm sangue
veias que dão passagem
ao novo sopro que chega agora
força que te sustenta
som que te abre a mente
cheiro que te provoca
gosto que abre os olhos
toque que arrepia
olhos de quem te via...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Apesar das doses de uisque
e do gelo derretendo
pensamento longe
nos momentos intensos
falta pouco que era resto
seus pedidos seus protestos
você guarda o que te dei
madrugada é mais que palavra
é silêncio repentino
é um lapso do destino
é um eu sem ter você...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

1º concurso de Pequenas Poesias


Meio poeta meio filósofo
Ser incompleto
Desapego pendente
Inclinado para o apego
Sob a luz da reflexão
No calor da emoção
Dualidade condizente
Com esse coração que inflama
Que no fundo sabe que ama
Embora nunca saiba o que é amor
Seja como for
Pode ser calor, dor, fulgor
Contato, atrito restrito ao tato
Laço mais fundo que a alma
Sentimento forte que não acalma
Posso dizer tudo
Posso dizer nada
Mentiras vastas desenfreadas
Daquilo que não se pode descrever

Túlio L. Fagundes

1º concurso de Pequenas Poesias

Irrelevância


Subida de morro não morro mas quase chego lá
Não, não lá no alto, de salto não dá prá andar
Queria , de dia , que visse o que é pesar
Mas tens como fardos de chumbo lágrimas a rolar
Receios, canteiros que guardam palavras no ar
Rosas que aguardam colheita prá presentear
Mãos que as esperam embaladas mas que nunca as irão tocar
Sorrisos que escorrem de favos, afagos, abraços
Do tão perto/longe sentido , insensato, oprimido
Medo de se doar
Realidade refletida nas rugas, nos fios esbranquiçados
Nada registrado, carimbado, assinado
Tudo jogado, lançado, esparramado - ninguém pode juntar
Se esvaindo no ar .

Bia Freitas

domingo, 10 de outubro de 2010

Pequenas Poesias

Eu vi navios negreiros
chegar ao porto então
eu vi o sol iluminando a escuridão
dias de brilho raro
um sonho, uma nova ilusão
uma verdade em gestos covardes
uma história e muita lição...

Danilo Pinoti


terça-feira, 5 de outubro de 2010

Pequenas Poesias

Quero que me olhe
como uma grande verdade
mas a verdade que você
quer enxergar
joguem os dados
um novo jogo começa
busque lá adiante
o que mais te interessa
que a pressa da vida
te alcança primeiro
afasta os pecados
e ameaça os cordeiros
lua e sol brilhando ao mesmo tempo
ilusão que explode em sentimentos
eu, você e a hora do breve momento...


quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Pequenas Poesias

O que me remete a medo
é o fato de ninguém se importar
é olhar para o futuro mais próximo
mas na hora não querer avançar
é ter nas mãos a chave da porta
e fugir em vez de encarar
a juventude que tinha proposta
hoje se esconde pra não complicar
saudade da tempestade
que eu sabia controlar
e que aos poucos foi sumindo
e se tornou um só lugar
os poucos amigos que tinham ideal
se calaram por medo do tal
hoje vendo do lado de fora
me permito até me expressar
através dessas frases seguidas
os meus dias e a falta de ar...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Sou o exemplo da minha verdade
simples gesto da mão calejada
um pequeno pedaço da sociedade
entre mortos e feridos
estamos seguindo
lua que se faz poema
nesta noite eu lembro uma cantiga
da infância que me foi prometida
dos amigos que me foram tirados
dos segredos que não foram contados
lembro apenas do dia mais certo
longe e perto em tempo real
sob o caos se encontra a cidade
que exala seu cheiro excitante
pensamentos que vagam perdidos
e atropelam o perfeito instante...

Danilo Pinoti

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Pensamentos Vagos

Já somos ricos por estarmos juntos...o resto é consequência...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

O que foi escolhido
que o espelho não revelou?
dias em série
fome de encontros
que nem a luz mostrou
caindo em pesadelos
medo dos meus medos
a minha verdade
eu uso a meu favor
e o que penso logo escrevo
pra não perder
mas o que perco
é porque não era pra acontecer...

Danilo Pinoti

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Pequenas Poesias

Essas ruas me perseguem
dentro dos túneis imaginários
fora do alcance das crianças
me engole antes que eu a devore
beco que falta luz
tempo que não permite
paz que entope bueiros
lembranças e fotos velhas
naufrágios e confusões
os carros em ringue aberto
pouca respiração
o caos que desperta o medo
rostos e seus segredos
cidade que espanta os fracos
e acolhe os restos
dos nossos medos...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Rosto leve e olhos vibrantes
suave delicadeza que me deixa em ar
toque inexplicável em uma troca sem igual
o que será que o sentimento pode aprontar?
abra seu coração e deixe a felicidade
tomar conta do momento
me encanta o suave gesto no seu jeito de falar
volta e atende alguém que espera
veja a sorte e tente entrar
se um poeta escreve em versos
você pode se encontar...

Danilo Pinoti

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Pequenas Poesias

Leve se faz o fardo perto de você
mudo o tempo e volto a brincar
de te amar... te querer
as boas frases do momento
ligam o céu ao sentimento
deixa na boca o gosto eterno
que nada tira,nem eu quero...

Danilo Pinoti



Pequenas Poesias

Antes o meu jeans
que a sua falta de ar
poucas todas suas noites
letras pra se tocar
segue sua estrada
sem levar o que é meu
tentei te olhar como
uma grande verdade
estacionei o seu mundo
na minha vaga
não me esconda o que
nunca foi meu
me mostre o seu lado
permita ao menos um recado
faço parte dessa loucura
e me sinto um selvagem
sem garras afiadas
mas querendo amar
se entregue aos seus
poucos absurdos
a felicidade está aí
vamos estar....

Danilo Pinoti

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

domingo, 19 de setembro de 2010

Pensamentos Vagos

 Quando os amores de outras vidas se juntam transformando em um ser, 
é dada a chance de encontrar a outra parte e começar a viver....


Danilo Pinoti

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Pequenas Poesias

O seu tudo é pouco pra mim
o meu mundo em sonho é raiz
os meus dias de glória
o poema inventou
minha parte na história
o segredo levou
como leva a cidade
com o que mais se esperou
me perdi na inocência
de um breve e louco amor...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Fome dos teus beijos
sede de um desejo inexplicável
o perto está longe daqui
vontade de sentir tudo de novo
um novo tempo
seca a dor que estampa o peito
lava a alma e escolhe o jeito....

Danilo Pinoti

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Pensamentos Vagos

Deixe entrar o novo em tua casa e dentro de ti...

Danilo Pinoti

Pensamentos Vagos

A arte de se olhar no espelho é fantástica...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Cadê você deusa dos meus sonhos
enorme tentação me deixa com falta de ar
luz que não convence 
E embala o meu sono
puro pecado perdido em lembranças
breve disparo a um coração sem semblante...

Danilo Pinoti

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Pequenas Poesias

A felicidade é egoista
mas quem sente se arrisca
a verdade enobrece o homem
enquanto na cidade se esconde a fome
os loucos escrevem em forma de discurso
o caminho a seguir não altera o curso
a vida bem vinda
viva, vida minha...

Danilo Pinoti

Plantão de notícias!!!!

EM BREVE
Venda do meu livro aqui no blog!!!!! Aguardem!!!!

Pequenas Poesias

Que loucura é essa que não cessa
acordei de tudo e agora as lágrimas caem
dói demais tentar entender
fácil é falar o que não se vive
vi a cor do seu silêncio
e o desejo do seu corpo
a boca fecha e seca o suor
os olhos vibram ao ver o teu nome
mas pensar é algo livre
e voar é o que se vive...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Arrume algo pra fazer menino!
segue o rumo e reinventa seu agora
Está tudo fora do lugar
que o acaso se distrai
sente que as horas passam
e o sol apaga dia
a noite avisa que as estrelas
são poeiras
e o coração entende que o amor
é sinal de um leve aconchego...

Danilo Pinoti

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Pequenas Poesias

Menina bonita
parece que vem do reinado
a cerca que corta a carne
comete o pecado
do lado de lá da cidade
eu encontro o seu lado
E eu que hoje me encontrei
sem nunca ter perdido
dos sonhos que eu mais sonhei
hoje são vividos
o resto depois se transforma
vira parte da história
e começa a viver...

Danilo Pinoti

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Pequenas Poesias

Não se aproxime
da minha esquina
hoje sem rima
nem mesmo eu
tantas histórias
muitas são glorias
outras se foram
não desespero
meu bem eu quero
o que você prometeu
não vem agora
fora de hora
dizer adeus
outras mentiras
fotografias
quem sabe eu...

Danilo Pinoti

domingo, 29 de agosto de 2010

Pequenas Poesias

Belos são seus olhos
que encantam
branco seu sorriso
que me testa
e  acorda os poetas
doce deve ser o gosto
de mistério proibido
sem breves intervalos
a distância seca a vontade
que transborda
e a loucura cega a visão
no próximo segundo...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

domingo, 22 de agosto de 2010

Solidão Necessária

O que falta acontecer agora?
Meus sentimentos estão todos virando pó
Minhas lembranças estão se anulando em minha cabeça
O ralo levou a água que lavou meu corpo
E com ela tudo se foi
Medos... Desejos... Nada restou
O desgaste da mente incomoda e provoca calafrios
Os pensamentos são apenas palavras soltas
Fumaça que sai das poucas cinzas que restaram
O fim é contraditório
Minutos que podem mudar o destino
A cena se repete e o menino volta ao circo
E refaz seus argumentos
No fundo deste poço existem milhares de pedras
E nelas contém o segredo que revela seus medos
É a solidão necessária que me engole aos pedaços
E me transforma em fragmentos de recordações
Becos de enorme ilusão
Em Poeta... Em amigo... Em lição...

Danilo Pinoti

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Pequenas Poesias

Estou cheio das cédulas e comprimidos
que vazam dos cofres públicos
mentiras escandalosas
do berço da bondade
da falta de caridade
dos fracos e oprimidos
dos gritos em noites sem luar
do amor que ignora a solidão
do frio da alma
da falta de calma
da alegria que a palma da mão produz
do sentido de andar sempre na direção da luz...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Passa no fino fio da minha loucura
Um desejo sem rumo
Uma parte de mim quer ser eu
E a outra sei lá quem pode ser
Noites sem sono
Céu sem estrelas
Dias sem nuvens
Palavras que rolam sem sentido
Lagrimas de alguém
O lugar é frio e sem cor
Está marcada com ferro
Estampada em rostos escuros
Rasgo as palavras e os pedidos
E te encontro no dia marcado...

Danilo Pinoti






terça-feira, 17 de agosto de 2010

Novos Contos Curtos

Sem aviso a tempestade chega e a cidade toda se aproxima dos pecados que os tolos temem. As promessas e os hinos tocados pelos servos e solistas, louca a tarde que ali vadia, não pergunte o que com certeza será respondido.
A pequena parecia bem cansada e tentou se apresentar:
  - faço parte da bancada e queria lhe falar, dos meus dias e do meu medo de sonhar...
Quer mais um trago do veneno?
  - Se for por mim, sim por favor!
Então tome um gole e sinta seu gosto.
  - Tem um sabor delicado, mas um fundinho que amarra a boca.
Feche os olhos e pense no seu sorriso que a face se esforça pra esconder, lembre-se da sensação de estar aqui.
  - Acabo de sentir o gosto se esvair da saliva.
Grato por ter me servido da visão que acabo de ter, preciso partir e acalmar o que a de ser.
  - Gostei do que me fez sentir, gostei de ti, leve contigo meu pingente de São Jerônimo que a proteção lhe será bem vinda. Adeus
  - Até breve é o meu adeus sentido...

Danilo Pinoti




Pensamentos Vagos

A falsa moral é engolida pela sociedade...

Pequenas Poesias

A sombra que persegue o corpo
Que para e movimenta de novo
Das listras que  a vida te deu
Os frascos que transportam lagrimas
Feito pacotes de balas sem cor
Cor que percorre o seu interior
E comanda a mente pra longe do abismo
Já que o pedaço do fogo apagou
Deixando claro que as brasas
Se curam após queimar para esquentar seu amor...

Danilo Pinoti

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Pequenas Poesias

Que gente louca é essa?
Que se espremem no canto
Que decide o espanto
E comemora o nascer
Jamais havia sonhado
Com tamanha devoção
Seus olhos que costumam ver
Os recados que vem pra você
Do peito que aperta ao sair
Aos sopros que entende
Mas tenta fugir...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Pequenas Poesias

Que parte que o lado tem
Que me inspira a andar grudado
Poucas partes que me restam
Jogo fora deste barco
Quando o perfume chega no lago
É sinal que tudo será alagado
Clipes, formulas e comprimidos
Doses, tragos e alguns trocados
A paixão que vem como uma história
Fatos em pensamentos
Fotos e braços dados...

Danilo Pinoti

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Madrugada Poética

Noite dentro do meu peito
Lua que morreu de inveja
Bela que fera eu fui
Soando aos ventos poemas
Um tanto sem sentido
Dias depois do outro
Pastos de nuvens claras
Sem previsão coração desacelera
Pronto o caminho pra  outra vida que te espera...

terça-feira, 27 de julho de 2010

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Pequenas Poesias

A voz do coração soa tão alto nesse momento
Seus olhos dominam e enfeitiçam
Seu cheiro é vivo e enlouquece o meu
Fica perto e me ensina a amar
Quero aprender pra poder te ensinar
Quero jogar seu jogo
Apostar nessa história
E viver cada dia
Essa vida de agora...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Que perguntas são essas que ninguém responde?
Quantos dedos se cortam no fio da meada?
Respostas de perguntas secas
Verdades em fotos escuras
A fatia, mas doce do bolo
O sorriso mais simples perto de onde está
O nome que o vento leva
Faz-se de rascunho e se entrega
O peito respira fundo e se vai
A vontade é cheiro e sabor de sinais
O lápis que produz a idéia
E traduz em rimas poéticas o que se pensou
O quarto que muda de cor
De acordo com o que sua alma entrou
Alma que provoca o medo
Fome que engole o som
Lírios com perfume e cor
Lábios amargos e secos
Essa é a verdade que a mentira tenta contar
Ouve quem tiver coragem pra saber o que tentar
Responder o que ninguém pergunta
Pra poder se adaptar...

Danilo Pinoti

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Pensamentos Vagos

A ingratidão estampada no rosto do seu amigo
a pele queimando de inveja é impotência
sorriso falso e lábios inquietos
a história deixou de ser o que ele esperava
as promessas já não são mais sentidas
verdade passa longe do que se diz
a mentira é falta de opção
dos covardes que não perdem viagem
dos amores que cegam o que é real
fatos ditos em profecias
e cor dos seus olhos no meu quintal...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

A morte é um encontro duvidoso
ninguém sabe ao certo o que vem
depois do azul
caixas de concretos
coberta de flores
brindemos o fim dos dias
única certeza
longe dos pensamentos
não se fala mas se teme
nada se leva mas se tenta
a intensidade dessa vida incerta
é combustível nas veias ainda vivas...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Queria não ter aberto a ferida
o amor é cruel e insensível
rascunhos em folhas de papel de carta
rasuras e desenhos engraçados
o mar que leva a angustia
não cruza a estrada
vomita desejos e engole verdades
sempre tem alguém que me espera
sentada na esquina da rua deserta
perdida em seu infinito lugar
viver partindo é encontrar sempre
um sentido das horas
brincando de chegar a lugar nenhum
vamos todos ver o dia do silêncio
triste das salas sem mobílias
e dos quadros mal pintados
antes de ir me avise para não
deixar de ser novidade...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Nos prantos de um coração partido
um encontro de ilusões inúteis
análise complicada do poder
dias corridos, mentiras e rancor
o amor é algo inevitável
e a cura é protegida a sete chaves
qualquer um pode dizer segredos
e ouvir o preconceito em forma de medo
ame odiando
ame sentindo
ame me ouvindo...

Danilo Pinoti

quarta-feira, 14 de julho de 2010

sábado, 10 de julho de 2010

Pequenas Poesias

Sentir o amor é para poucos
sorrir da dor é vitória
correr atrás é covardia
morrer de medo é insanidade
sentir fome é preconceito
dos poucos restos do fim do pão
a chuva é fina e o fim é congestão
palavras soltas em frases de coragem
o amor que peca e sofre sem ser visto
a sua luz que já é cega
olhos que devoram defeitos...

Danilo Pinoti

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Pequenas Poesias

Alegria era muito e ele não sabia
sonhos alcançados e ele nunca via
muito amado e pouco lhe cabia
os poemas ele nem sentia
lindas flores e ele nem queria
se escondeu do pouco que chovia
quantas faces ele lhe sorria
vento forte sempre é ventania
sem o meu os seu já nem queria
as verdades que eu contei um dia
confundindo até quem não devia...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

O amor que surpreende o acaso
nos laços de enfeitar cetim
nos becos de paixões ingratas
o início se transforma em fim
nas casas de papel de pão
lembranças e outras frustrações
fumaça feita de colírios
metade de uma assombração
nos livros que a semente brota
navalha que não corta o fio
nos beijos que o sabor não mata
desejo é o pouco que se viu...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Frase do dia

Fazer alguém sorrir é privilégio de poucos...

Pequenas Poesias

Ai que saudade da velha casa
mal acabada
mal que nada
ruido que invade a escada
espelho que reflete o nada
folhas secas e chuva ácida
lembretes em lonas de circo
tantos copos secos
sede de confiança
liberta a culpa e traz alívio...

Danilo Pinoti

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Frase do dia

O que importa antes de tudo é o momento presente...

Mensagens

Antes que o mal se faça presença
sejamos forte na luz mais intensa
anjos tão lindos que enfeitam essa casa
tantos amigos num dia perfeito...

Pequenas Poesias

Minhas lagrimas foram de tristeza
meu silêncio não inibe o medo
os seus dias são desnecessarios
e a coragem falta  o corpo inteiro
no começo tudo foi magia
ilusões que nem seu sonho tinha
coração permite entrar primeiro
com o beijo treme o corpo inteiro
sons, imagens de santos guerreiros
neste altar não chega o pesadelo...

Danilo Pinoti

terça-feira, 29 de junho de 2010

Meu Livro está à venda na Fnac

                                                                   http://www.fnac.com.br/

Pequenas Poesias

A novidade vale enquanto é nova
suas verdades já não importam mais
somos metades de um sonho perdido
que ao se encontrar continua dormindo
letras e musicas um falso poema
pena que o sol
nunca soube brilhar
tardes em claro e volto a encontrar
longe do leito da dona do meu lugar...

Danilo Pinoti

Agradecimento

Gostaria de agradecer a todos pelo carinho e pelos
comentários, isso me motiva a escrever sempre mais....
bjs

Frase do dia

Viva a simplicidade...

domingo, 27 de junho de 2010

Pequenas Poesias

A tristeza fica distante
e a alegria se tranforma em alivio
os medos se escondem
nos prédios
sombras que vão embora lentamente
chuva que derrete a argila moldada
lembranças soltas no pensamento
e cores claras ao redor do centro
pinta o coreto da praça
luz que se acende na volta
som que se espalha
em canções...

Danilo Pinoti

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Pequenas Poesias

Canto nos cantos da casa
recito meus versos na sala
lua que o sol não domina
gotas que caem por bicas
quantos amores se fazem
dos preconceitos alheios
ter alguém sem ter coragem
entender certos conselhos
que meninos desta idade
nasce aos montes em bueiros...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

A loucura domina a mente
face sua que não via
muros de pedra
sons de lembranças
feto que vem servir
nossa fome de vida além
luz que raiou no dia daquela
próxima embarcação
nestes navios veleiros
neste seu mar amargo
jamais ninguém chegou
de volta pra contar
mais foi tentando acreditar
o fato que me fez voltar
pra mim e te encontar aqui
perdida nos teus pensamentos
e em volta do que mais te faz pensar...

Danilo Pinoti

Pensamentos Vagos

O amor é tempestade aos olhos de quem quer ver assim...

Adorei esse texto

Lei do Caminhão de Lixo

Um dia peguei um taxi para o aeroporto. Estávamos rodando na faixa certa, quando de repente um carro preto saltou do estacionamento na nossa frente.
O taxista pisou no freio, deslizou e escapou do outro carro por um triz!
O motorista do outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós nervosamente. Mas o taxista apenas sorriu e acenou para o cara, fazendo
um sinal de positivo. E ele o fez de maneira bastante amigavel.
Indignado lhe perguntei: 'Porque você fez isto?
Este cara quase arruína o seu carro e nos manda para o hospital!'
Foi quando o motorista do taxi me ensinou o que eu agora
chamo de "A Lei do Caminhão de Lixo."
Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo. Andam por ai carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de raiva, traumas e de desapontamento. À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes descarregam sobre a gente. Não tome isso pessoalmente. Isto não é problema seu!
Apenas sorria, acene, deseje-lhes o bem, e vá em frente. Não pegue o lixo de tais pessoas e nem o espalhe sobre outras pessoas no trabalho, EM CASA, ou nas ruas. Fique tranquilo.... respire E DEIXE O LIXEIRO PASSAR.
O princípio disso é que pessoas felizes não deixam os caminhões de lixo estragarem o seu dia. A vida é muito curta, não leve lixo. Limpe os sentimentos ruins, aborrecimentos do trabalho, picuinhas pessoais, ódio e frustações.
Ame as pessoas que te tratam bem. E trate bem as que não o fazem.A vida é dez por cento o que você faz dela e noventa por cento a maneira como você a recebe!


Autor desconhecido

Pequenas Poesias

Quando passa o tempo
e resta só silêncio
se faz início
de um fim constante
as horas são tão pouco usadas
e o sono nunca quer chegar
a tristeza que a face esconde
dos desejos que ninguém contou
meia lua hoje se mostra inteira
tão mais clara parece ter cor
os passos que te seguem
faz-se sombra de que já passou
são lembranças dos poetas leigos
que se inspiram no que alguém contou
nas janelas entreabertas
dos delírios solitários
abre a porta do pecado
e começa o pesadelo
o medo é a parte mais sensata
da escuridão daquela estrada...

Danilo Pinoti

terça-feira, 22 de junho de 2010

Pensamentos vagos

Somos o que mais nos faz forte...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Quando sinto algo
que percorre o corpo todo
e me faz tremer
tenho a sensação que o meu passado
foi atropelado pela necessidade
de amar alguém que me completa
olhos que encantam
sorriso que adoça os lábios
e a voz que me sussura segredos
nunca contados...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Um passo dado
em silêncio e sorriso
é forte em brasa
e queima o destino
somos todos filhos da ocasião
e sublimes em nosso tempo
que a faca que corta o desejo
e percorre meu corpo suado
suaviza meus prantos
e me leva em seu leito...

Danilo Pinoti

terça-feira, 8 de junho de 2010

Pequenas Poesias

Altas horas da madrugada
e nada dela chegar
falta fôlego no peito que parte
em pó
alegria que um dia sonhou
foi embora mas logo voltou
os meus olhos fixos nos seus
serenata do que se perdeu
pouca fé é vazio por dentro
de outros contos que o sol
se ausentou...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Pequenas Poesias

Seu abraço leve me faz bem
seu sorriso facil me encanta
dança moça linda
dança pra mim
faz de mim seu amor
e me transforma em ti
cada segundo é saudade
e caem gotas pelo rosto
mas é emoção
dos olhos serenos
 e coração sorrindo...

Danilo Pinoti

Fnac

Para quem se interessar meu livro está a venda com exculsividade nas lojas e no site da Fnac
http://www.fnac.com.br/

domingo, 16 de maio de 2010

Pensamentos vagos

 Hoje caem folhas e nascem novas primaveras...

Danilo Pinoti

Pensamentos vagos

Quando o sentimento é muito forte
o coração permite a entrega...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Os pedaços caídos no chão
os ruídos dos sonos sofridos
doces casos dos andarilhos solitários
na hora que se encontra o amor
o sentimento dura enquanto se acredita
o amor é a verdade de cada um
os poucos pedaços que sobram
são partes de um sonho inundado
de pequenas linhas mal escritas
o que falta nas pessoas é acaso
só nos resta inventar um novo pecado...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Pequenas Poesias

O que consome os meus erros
é o fato de não ser só eu
as palavras dão trabalho
e o correto é ensurdecer
com o som que o silêncio provoca...

Danilo Pinoti

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Pequenas Poesias

O que é fato
se torna concreto
o foco é simples
e está sempre perto
gosto do brilho do seu olhar
e do sorriso que sai da sua boca
perto sinto um cheiro de brisa ao vento
e o começo de algo
que se torna inevitável...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Pequenas Poesias

O toque
o beijo
a respiração ofegante
os olhares trocados
descobrir algo perdido
dentro da gente
algo que transforma o inexplicável
em tentação
surgi uma nova história
e um recomeço que faz parte
do inevitável
não sou como tantos que escondem
os sentidos
que cospem palavras e poemas sofridos
sou mais que a vitória
sou sombra da história
sou eu pra você...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Pequenas Poesias

A menina dos meus olhos
persegue meus pensamentos
ofusca meu silêncio
e permite que eu me encontre
com o que me falta chegar
do encontro do casal perfeito
prefiro o inevitável
o lirios que te presenteio
um verso que se mostra amável
a sombra que invade os meus medos
é um pequeno pedaço dos meus tantos segredos...

Danilo Pinoti

domingo, 18 de abril de 2010

Pequenas Poesias

O frio e o silêncio da casa
me assusta, provoca e me afasta
o som do nada
o nada que se fez notar
febril o menino suspira
e o ar que percorre as veias
entope o que um dia vazou
de sarjetas esquecidas
e pessoas maltratadas
corre o sangue sofrido
pela face nua
o pêlo que envolve o seu corpo
se preocupa com o sorriso alheio
e tranforma a solidão em razão...

Danilo Pinoti

Pensamentos Vagos

O sentimento é uma fase de momento...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

O fato que foge é o acaso
os seres que nascem é promessa
o que vejo em seus olhos é verdade
o que sinto em seu gosto é veneno
dos lábios brotam faiscas
sementes que geram sentido
com certas palavras que excitam
e deixa o corpo suado
levando o que resta dos dias
trazendo o que era pecado...

Danilo Pinoti

terça-feira, 6 de abril de 2010

Pequenas Poesias

Sonhos que me levam
pra onde eu quero ir
sol que cega a minha alma
dor que aperta os meus calos
som que mata meu desejo
fotos estampadas em faixas
loucura que permite o medo
doutrinas e promessas fáceis
sorriso falso que incomoda
será que o gosto da sua boca
não vai sair dos meus lábios
confusão desejada
o caos que provoca os leigos
é a leitura que ensina os inúteis...

Danilo Pinoti

quarta-feira, 31 de março de 2010

Pequenas Poesias

Quero cuidar de mim
tem sentimentos demais
invadindo o pensamento
tem coisas que acontecem
que muda nossa história
e o jeito que pensamos ou vemos
transbordando ilusões
tão longe do fim
mas perto do perfume
o tempo nunca é perdido
viver é o prazer de cada dia
o desejo que acende meu olhar
e jamais deixa ficar amargo
o sabor que o sentimento brota
no final de uma história infinita
sou mais só que o caminho
procurando seu ninho....

segunda-feira, 29 de março de 2010

Pequenas Poesias

Na energia de um forte abraço
suas lágrimas encharcam meu corpo
a febre que incendeia o inconsciente
som com sentimento
a noite ao pé da lua
soluços, sol, secura
lembretes e poemas
na flores que te fez me amar
o que resta é a solidão serena
e a falta que me condena
do amor que ainda vale a pena...

terça-feira, 23 de março de 2010

Pequenas Poesias

O que ficou foi acaso
o tudo que levou
me da força pra viver
perco o meu limite
e acabo nos braços alheios
a falta é que me da fé
a  fé na mais simples lição
os erros são todos contados
e os acertos mal interpretados
a faca que fere ainda pode ferir
a lingua paga e o corpo desconhece
o silêncio as vezes é sagrado
e a solidão é fato
sozinho de ninguém
sou mais de quem me tem...

Danilo Pinoti

sexta-feira, 19 de março de 2010

Pequenas Poesias

O meu segredo
é mais simples
que meu medo
os muros são
mais altos que os meus braços
as luzes piscam no meio
da noite escura
e se vê ao longe um sol
coberto de cores
nesses dias frios
os bueiros são mais quentes
que meu sangue
e corre feito febre nos
bueiros da cidade vazia...

Danilo Pinoti

quinta-feira, 18 de março de 2010

Pequenas Poesias

No berço da cidade
dorme os segredos
que implora o silencio
do nojo da nata ferida
ao pranto pronto
famílias mandam recado
nos passos do elevador
poucos são loucos
mas muitos serão
indos sonhos solitários
fracos poderes sem chão
pouca bobagem nos bolsos
novas medalhas serao
loucos são os meus olhos
vendo seu corpo
e sentindo seu tempo
no tempo da mão...

Danilo Pinoti

terça-feira, 2 de março de 2010

Pequenas Poesias

A ingenuidade da sua face
misturada ao mistério de seus olhos
sorriso que encanta e domina
o pouco pode ser
uma imensidão
na falta que vai fazer
o medo da intensidade
me instiga ao prazer
de entrar no seu jogo
e descobrir seus segredos
a distância mais próxima
é aquela que se pode tocar
e sentir no simples olhar...

Danilo Pinoti

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Pequenas Poesias

O Exato momento
que me enlouquece
é o mesmo que me tira
o sentido
a música que invade a alma
é o sopro que me faltava
o toque que varre o corpo
percorreo inconsciente
e acaba no meio fio
o calor invade a pele
dos meus fracos poros
com gesto de um verso rico
de um sonho inaceitável
que a falta dos velhos beijos
me trazem à tona
o que eu deixei sem perceber...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Pequenas Poesias

O corpo treme
a vista cega
o resto dos sentidos se afloram
o coração dispara
na velocidade incontrolável
do inconsciente
desejos, medos e muitas vozes
sonhos lembraças e um coração
a água que fecha o corpo
e lava alma
afasta os pensamentos e as sensações
com a força de um ser que abraça e acolhe
na sintonia da mesma canção...

Danilo Pinoti

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Pequenas Poesias

Quando o tempo engole nossas vidas
transforma o silêncio em puro prazer
meia luz eu vejo o desenho
do seu corpo
contornando minha imaginação
me perco em seus braços
e me entrego ao momento
loucura? sim, desespero? talvez
no meu mundo só cabe o seu
e destino não te deixa entrar
um sorriso que me faz bem
nesses dias tristes, sem você
alguma saída deve haver
em que o tempo nos permita viver...

Pensamentos Vagos

"A vida só faz sentido, quando a outra vida se faz presente..."

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Pequenas Poesias

Que força é essa que me prende em seu encanto
com tantas histórias a serem contadas
a minha parou na mais impossível
mesmo em dias desejados
lembranças me fazem chorar
perto da porta do desespero
o desejo parece aguçar
e os segredos se rompem
no simples gesto do olhar
na falsa moral distorcida
e no pouco que ainda sei chorar...

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Pequenas Poesias

É lindo olhar seus olhos
cultuar seu silêncio
entender todos seus medos
sentir um gosto
de gostar  de alguém
simples sentimento
sempre construção...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Perto aonde o corpo habita
curvas virtuais
sempre perco o sono
e não acordo mais
silêncio seco
sorriso sigiloso
lábios de quem quer
se beijar
outros que se fazem presente
ambos que não podem tocar
coração alterna a frequência
outros contos eu tento contar
abre as asas
e entrego o desejo
sob olhares
que se faz enxergar...

Danilo Pinoti

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Pequenas Poesias

Sono que me leva
aos pensamentos mais intensos
letras que me ensinam
verbos que tropeçam
nas palavras sujas
mantas que me aquecem
frio, suor e flor
bocas que molham a face
sombras que escondem versos
livros que escrevo aos montes
contos que no ouvido ecoa
lirios e baldes de água
calos que fabricam vida
é o pouco do que me resta
do muito que eu conheci...

Danilo pinoti

Pequenas Poesias

Nada que papéis
não seja parte desta história
maquinas perdidas
e dedos entrelaçados
sonho que me fez coragem
dias que me da sabor
o sol que entorta
a terra e o céu
e o sim de quem ainda não me amou...

Danilo Pinoti

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010


Marco Luque e Guilherme Uzeda, queridos amigos e parceiros na festa de lançamento do Livro Pequenas Poesias

Meu Livro!!!!!


Pequenas Poesias

Ar seco da nó na garganta
sopra o vento no rosto
e lambe seus lábios
tem um que tem pressa
e tem quem não senta pra ouvir
não da alívio e sufoca os sentidos
mas depois da tempestade
sempre vem algo novo
e brilha de uma forma diferente
mas um brilho intenso...

Pequenas Poesias

Perto do samba se fez mocidade
naquela avenida que nunca tem fim
nesta cidade que enlouquece o silêncio
e desfila suas fantasias
amanhece alegria
e abre as portas para o sorriso
com a cor brilhante do corpo
que desfila nu
sob os olhos vibrantes
e luzes incandescentes...