segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Pequenas Poesias

Ser pintado de branco
ser cansado de sono
sou sincero e perdido
sempre caindo nas mesmas armadilhas
prego de aço sem cabeça
tantas perguntas sem respostas prontas
ouço as canções que falam de amor
e brotam poesias em vasos de barro
casa de vidro
sombras em galhos
senimentos enormes
frio e sede seca a boca
para onde vamos não sei
o que faremos no final
que final?

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Quantos segredos serão revelados
cegos são os dias que seguem sem rumo
certa é a direção
rara minha alma que me acompanha
o princípio do abandono
é o início da solidão
outras coisas se perdem no caminho
não nos permitindo encontrar
forte a onda que leva o sal do seu corpo
e completa seus pensamentos
na imaginação perfeita de algo real...

Danilo Pinoti

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Pequenas Poesias

Pequenas folhas que caem com o vento leve
me despede de uma fase de tensão e medo
forte sou se assim me aceitar
leve e sereno faz parte do meu sentido
olhando sempre em frente vejo meus passos de longe
passos que ainda não dei
sonhos que ainda virão
dias que sempre contei
outras faces do meu mundo
que perdidas, hoje se encontram comigo novamente
velhos sábios e amigos verdadeiros
palavras que fazem pensar
e sentir no fundo da alma
a vida novamente viva.....

Danilo Pinoti

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Pequenas Poesias

Estou na casa das confusões
pronto pra me atirar no meio da sua idéia
leve de fato, peso em excesso
caos nos meus passos
ruas tortas e carros quebrados
minha vida passa sem rodeios
meus olhos abrem e fecham calados
só falta o meu corpo suar de frio
pra que eu possa me jogar na tempestade
que não descansa...

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Pequenas Poesias

Caixas e comprimidos
dias sem sol queimando
pele com pele
toque perfeito
distante e tão perto
fora de mim
mas muito dentro de você
cacos de vidro
queda de braços
forte é meu sorriso
que esconde sentimentos
brasa que escorre
pelo seu corpo
gela seu fogo
e esfria seus poemas
medo do escuro
foco central
altos e baixos
sono atrasado...

Danilo Pinoti

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Pequenas Poesias

O fogo fere a faca firme
e o resto do fogo do sol
queima a nossa alma
somos fortes sim, será?
sonhos curtos
erros e acertos
me perco entre os becos
e decolo de olhos abertos
direto para o certo abandono
por vezes caminhamos sem rumo
e encontramos dias perfeitos
e pessoas com pressa
outros sinais vêem com o vento
que sopram cores de amuletos
mas sempre cores com sabor...

Danilo Pinoti

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Pequenas Poesias

Quantos segundos restam para o inicio do fim
meu medo é aceitável, mas sem sentido
quero ver seus últimos segundos
da janela do meu novo andar
qual palavra ainda não foi falada
sentimentos e outras intenções
o salto é fantástico e a queda é inevitável
somos todos iguais na metade do jogo
outras fotos ainda não foram vistas
e as cores desaparecem com o tempo
mas o sentido fica impresso por toda vida
quero então fugir dessas pedras
que invadem meu caminho
e seguir em frente até achar o alvo dos meus desafios...

Danilo Pinoti

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Pequnas Poesias

Alguns pensam miséria
outros pensam bobagem
velhos pensam na morte
muitos não querem pensar em nada
as crises são da minha cabeça
que fritam os neurônios
e grita forte sem nada ecoar
antes tarde do que de avião
meus pés não aguentam mais andar descalços
está frio aqui desse lado
tem muita gente com olhares fixos
e somente sombras
pensei em correr, mas não faz sentido
quero ficar próximo da minha voz e ouvir
meus pensamentos no silêncio da gritaria que não cessa...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Que foi loucura é fato
olhar no fundo dos seus olhos
e ver seus segredos
entrar no seu interior e ver seus sentimentos
gota pequena com simples detalhes
sentir seu cheiro e provar seu gosto
no impeto da breve sensação de voar
sonhos contados somente por intervalos
outras coisas acontecem
e nossos dias não conseguem acompanhar
como correm os ponteiros e as palavras
perdem-se no ar
quero tentar entender as surpresas do amanhã
para que tudo acorde sem susto
no suave gesto que é fato... acontece...

Danilo Pinoti