sábado, 2 de maio de 2015

Quanto tempo?

Quanto tempo você fica
Olhando o sol na primavera?  
Quanto tempo se decide
Que já é tempo de entender?
Quanto tempo passa agora
Se esse tempo nem chegou?
Quanto tempo a gente insiste
Em algo que nem começou?
Quanto tempo é pouco tempo
Se o tempo não te pressa?
Quanto tempo é permitido
Se a hora não recomeça?
Quanto tempo a vida leva
Se escolha for correta?


Danilo Pinoti

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Clarice Falcão - De Todos Os Loucos do Mundo

Pequenas Poesias

Um simples suspiro inconsciente
pode alterar toda energia
mesmo sem a intenção de mal algum
o tanto que fica do perfume
e o respiro suave de uma nuca seca
embriaga os meus instintos
faço tudo que puder pra te ver em pé
mas se cair por vontade não tem nem cafuné
eu quero aprender a gostar de você
como gosto de mim
mas enfim...
Pode ser apelo, mas pelo menos é real
meu mundo vai ficar bem
sem pressa, sem tamanho
sem jeito eu ganho o seu sorriso
tenho a vida inteira pra sonhar
coração de mãos não impressionam
freiras cantarolando é bem mais sincero
antes de acordar do seu barulho silencioso
acerto os pontos com a garota do prédio ao lado
álcool, trago e poemas ilustrados
Se te ver em breve
quem sabe falamos das bobagens do passado
e a hora passa como descanso do fim da tarde
mesmo sendo muito tarde...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Dentre tantos soluços
e sorrisos disfarçados
vejo verdade em seus
olhos marejados
neste instante me entrego
ao seu vasto espaço de tempo
na certeza de que o presente
é o nosso inconsciente
realizado...

Danilo Pinoti

domingo, 26 de abril de 2015

Pequenas Poesias (Retrô) 1998

Alguém me disse aquele dia
que eu seria feliz
e quem diria não disse
 que era pra dizer adeus
o mundo inteiro gira em torno 
do que é desigual
no fim das contas 
ninguém é normal
aquela estrela que passa
aquele sonho que racha o som
sereno do céu
o sonho é tudo invenção
um grande barco que leva a canção
Por onde o tempo levar
ou quando o sono chegar
eu volto a ser imortal
e tudo é tão natural
o mundo muda de estação 
e estamos sempre na mesma direção
não ouço nada além do som
das trovoadas e trovões
que sempre vem em dias longos
mas sempre em dias tão perfeitos...

Danilo Pinoti

Pequenas Poesias

Entretanto no pulsar do contratempo
uma nota só permitia a sonoridade exata
na ponta do meu faber castel
criando poesias infinitas
lembrando o momento da despedida
e dos meus tão incertos pesares
só a sombra da imaginação perdida
do caos que era a minha vida
do sentimento de alguma indignação
cego solitário, solto em tantos pensamentos
dono daqueles momentos
sem se quer aproveitar
sopro que não era intuito
livre de qualquer julgar
sobre a face, lágrimas impróprias
de outros sonhos tais
antes fostes herói de uma insanidade
cheia de ilusão e tragos insolúveis
bem o mar que atira ao cais
e sorrateiro volta e traz um pouco
do gosto que faz...

Danilo Pinoti

domingo, 29 de março de 2015

Pensamentos Vagos

O Brasil se esconde com medo
do segredo e do anseio de errar
só o caos propicia um soneto
da história que vem terminar
fim dos tempos em praça de guerra
sofrimento de ódio real
tentativas que enfrentam o nada
e a corja finge nem ligar
no poder o inimigo é real
e nas ruas portas se fecharam
o que era nosso hoje em dia mudou
sem lembranças, apenas terminou
sem coragem de olhar para um filho
e dizer que o país se engasgou...


Danilo Pinoti